Cresce número de gestoras independentes de previdência privada

Com a mudança significativa que passamos na reforma da previdência, o mercado tem ampliado as instituições que oferecem os planos privados. Com esse cenário cresce o número de gestoras independentes. Entenda o que está acontecendo!

Mais opções no mercado para adquirir a previdência privada

Com tantas mudanças ocorridas nas regras do sistema previdenciário desde 2015, gestoras independentes têm crescido nesse mercado, abrindo um leque na concorrência e nos valores dos planos contratados pelo beneficiário. São chamadas de gestoras independentes as instituições que não tem vínculo com os bancos, como: Banco do Brasil, Itaú, Santander, Caixa Econômica, Bradesco, entre outros gigantes que estão consolidados no mercado.

O que muda para você ao contratar uma gestora independente?

Um tópico importante na questão das gestoras independentes, é que nessas instituições normalmente é divulgado o nome do gestor e um breve histórico profissional para te ajudar a decidir. Nos bancos essa transparência não existe.

Outro tópico importante a ser salientado aqui, é que em grandes instituições como os bancos, encontramos taxas de administração muito mais elevadas do que em fundos de gestores independes.

Os fundos de gestores independentes são acessíveis para todos?

No cenário atual os fundos de gestores independentes têm tido uma ótima rentabilidade, e estão disponíveis para todos os investidores. É muito acessível para qualquer investidor, principalmente quando pensamos no valor das taxas administrativas.

O diferencial dessas gestoras independentes, é a rentabilidade e o atendimento diferenciado aos investidores como pessoa física. Grande parte dessas gestoras hoje, oferece um tratamento VIP que antigamente era restrito apenas aos clientes que geriam grandes fortunas, também para pequenos investidores.

É possível fazer a portabilidade do seu plano

A portabilidade te permite migrar de uma forma rápida e fácil para outra instituição, entretanto, é preciso estar atento quanto a algumas exigências. A portabilidade de fundos de previdência privada só vai permitir a migração entre planos da mesma modalidade, ou seja, de PGBL para PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre) e de VGBL para VGBL (Vida Gerador de Benefício Livre).

Respeitando essa exigência o investidor pode fazer a portabilidade entre instituições distintas, ou se preferir a portabilidade interna, entre ativos de uma mesma casa de investimentos. Diante dessas possibilidades, é possível escolher permanecer com seu banco/seguradora ou mudar.

Mais flexibilidade e variedade

Antigamente, as gestoras não investiam em previdência privada por conta da regulamentação que deixava as gestoras independentes um pouco engessadas. Hoje, as mudanças na regulamentação contribuíram para uma maior flexibilidade de alocação de portfólios, diante do ingresso de gestoras renomadas no mercado, como, Sparta e AZ Quest, por exemplo.

Se antes, as gestoras independentes não podiam oferecer muita coisa para seus investidores, hoje, a regulamentação mais flexível, tornou possível ter um fundo tão competitivo quanto qualquer outra instituição, o que é bom, já que com esse cenário positivo várias oportunidades no mercado foram criadas.

Mostrar comentários

Nenhum comentário

Deixe um comentário